O termo Indústria 4.0 nasceu em 2011, na Feira de Hannover, e refere-se à
quarta revolução industrial
. Actualmente estamos a viver a maior revolução tecnológica da história e devem surgir soluções para fundir o mundo real e digital. A Indústria Conectada ou Indústria Inteligente torna possível interligar diferentes elementos de uma cadeia de produção para obter conhecimentos que devem ser utilizados para melhorar o funcionamento da empresa em quase todos os níveis.

E para que a Indústria 4.0 se torne uma realidade, deve haver Grandes Dados. Neste artigo dizemos o que é e como se encaixa com a indústria do presente e, mais importante, com a do futuro.

O que é Big Data?

O termo refere-se a grandes volumes de dados que os dispositivos interconectados geram automaticamente. Com o Internet das Coisas (também conhecido como IoT para Internet das Coisas), dispositivos, robôs, máquinas e sistemas informáticos produzem uma enorme quantidade de dados simplesmente pelo facto de estarem a funcionar.

Esses dados, isoladamente, podem não significar nada, mas analisados e estruturados da maneira correta, fornecem informações muito relevantes sobre como as coisas funcionam e como elas interagem com o mundo real.

Quando dissemos que a quantidade de dados a ser produzida é enorme, não o queríamos dizer como uma piada. Grandes dados são considerados como tal a partir de 30 Terabytes, e esses dados não são estruturados, portanto não podem ser analisados, processados e gerenciados com tecnologias convencionais de estatísticas e bancos de dados.

Como regra geral, os dados que são considerados Grandes Dados têm as seguintes características: volume, velocidade, variedade, veracidade e valor. E essas cinco características criam cinco desafios para as empresas: como armazenar esses dados (armazenamento de volume), como processá-los rapidamente para que sejam relevantes e atualizados (velocidade-tempo), como coletá-los eficientemente (coleta de variedade), como saber quais dados são relevantes e quais não são (veracidade-qualidade) e como aproveitá-los ao máximo (valor-utilidade).

Grandes Dados e a indústria agro-alimentar

A indústria caminha para a automação, e o setor agroalimentar não é exceção. Graças ao uso de máquinas no campo, nas fábricas e nos supermercados, a produção de alimentos está se tornando mais eficiente.

Entre os elementos susceptíveis de Aautomação na indústria agroalimentar inclui, por exemplo, a cadeias de embalagem, o triagem do produto, a irrigação automatizada, a colheita mecanizada, a linhas de montagem/enbalagem/embalagem, veículos autónomos que conduzem dentro de armazéns, elevadores de paletes que colocam paletes em grandes armazéns de distribuição, etc.

Desta forma, através da recolha e processamento dos dados gerados durante estes processos, é possível optimizar o funcionamento das empresas a diferentes níveis. Por exemplo:

  • Os processos de armazenagem podem ser melhorados por sensores e dispositivos móveis que informam sobre a estocagem e colocação de cada produto, realizando controles de qualidade e propondo rotas otimizadas para a produção ou montagem.
  • A manutenção preventiva pode ser realizada, pois os dispositivos são capazes de detectar falhas nos padrões habituais de funcionamento, o que pode ser um aviso de uma falha na máquina que, se tratada rapidamente, não conduzirá a uma avaria.
  • Os gargalos podem ser eliminados através da identificação de problemas de desempenho.
  • Processos como irrigação, temperatura de estufa, etc. podem ser automatizados, já que a coleta de grandes quantidades de dados traz a IA ou inteligência artificial em jogo, capaz de tomar decisões de acordo com padrões pré-estabelecidos para manter a cultura em perfeitas condições.

A indústria agro-alimentar 4.0 está aqui para ficar, juntamente com os Grandes Dados que lhe estão associados e que cresce exponencialmente, criando oportunidades de melhoria e optimização com cada novo pedaço de informação. Se você quer ser competitivo e aproveitar ao máximo os recursos da sua empresa, junte-se à quarta revolução industrial.

Voltar